…e eu não comprei o iPhone 4S.

“Como assim, Laert? Logo você? Não comprou por que?”

Vou ouvir isso umas 300 vezes. Tenho certeza disso.

As pessoas que me conhecem sabem o quanto eu sou um Apple Addict e não deixo de comprar as novidades que a Apple joga no mercado. Claro, as novidades que me interessam.
Mas hoje, dia do lançamento do iPhone 4S no Brasil, eu não comprei. Foram vários os motivos.

Deixe-me contextualizar:
Minha operadora de telefonia celular, em todo lançamento da Apple (ou alguma novidade como o Galaxy Tab) me convida para participar do coquetel de lançamento para a imprensa e alguns clientes.
Sou muito agradecido e feliz por receber esses convites sempre que há uma novidade. Hoje não foi diferente.

O que aconteceu de diferente é que o “clima” não estava adequado à compra do iPhone. Vou tentar explicar isso melhor para vocês.

Bom, cheguei por volta de 23:00h na frente da loja e já havia algumas pessoas esperando o shopping fechar para iniciar o coquetel. O convite dizia que irí­amos começar às 23:30h, então, tava tudo bem esperar por ali mesmo e aproveitar para bater um papo com algumas pessoas que tinham cara de fãs da Apple. Só identifiquei uma pessoa, que veio falar comigo.

Formou-se uma fila, iniciativa de uma das pessoas que estava na frente da loja, para evitar a baderna de entrar todo mundo de vez quando começasse o coquetel ou para pegar a senha de atendimento.

“Senha de atendimento”? Assim de cara? Sem uma conversa? Uma paquera?
É…na lata, cumpadi. Quer romance? vá ler um livro!

Então ficamos ali na fila até que às 23:45h alguns atendentes da loja começaram a chamar algumas pessoas para entrar. Que não estavam na fila. Legal, né? Uma mulher que estava atrás de mim na fila falou com uma das atendentes…oi, tudo bem? Tudo jóia…ah, venha, pode vir. Afinal, fila pra que, né?

E o japonês careca com cara de “tudo bem, vai começar e vou comprar o iPhone 4S, legal!”.

Entramos na loja formando a fila para pegar a senha de atendimento. As pessoas eram direcionadas às baias e pronto.

“Pronto?”

É…foi só isso.
Não tinha um 4S pra gente degustar, não tinha explicações dos planos e valores. Não tinha “clima” de venda de um iPhone 4S. Experiência de usuário, que tanto a Apple trabalha para entregar…lhufas!
Conversei rapidamente com a pessoa que me convidou. Ela prontamente e gentilmente me entregou um press release com alguns dados sobre a operadora, algumas coisas sobre o iPhone e os preços dos planos e dos aparelhos. Mas a maioria das pessoas não tinham essas informações.

Talvez eu esteja velho mesmo. Mas eu sinceramente esperava mais. Muito mais.

Vamos lá: se estivéssemos vendendo um saco de pipoca, um cartão telefénico ou um chiclete, beleza. Não teria nenhuma outra expectativa com relação ao evento.

Mas a proposta é vender um dispositivo móvel caro, que revolucionou a maneira como usamos os celulares, que entrega uma experiência de uso fantástica, que tem todo um planejamento de marketing por trás disso, que é uma das marcas mais valorizadas do mundo.
E é assim que eu tenho que comprar um iPhone? “toma aqui tua senha e vai pagar, seu nerd doente”?

Não estou aqui colocando a culpa na minha operadora. Ela e todas as outras fazem do mesmo jeito. Vendem da mesma forma. E independente de minha opinião, vão continuar vendendo que nem água, porque estão apoiadas no fantástico produto. O esforço delas é praticamente ZERO.

Não pra mim.
É inevitável que eu compre o 4S…mas não dessa forma. Ou talvez até dessa forma mas em outra ocasião. Se é pra ter um coquetel de lançamento, que tenha com ENCANTAMENTO. Sabe o que é isso? Se você mora na Bahia, tá longe de saber…atendimento aqui é “ótimo”.

Pô, depois de entregar a minha senha para um carinha que chegou depois, eu sai frustrado com essa experiência.

Me chamam às 23:30h pra esperar numa fila no shopping.
Me entregam uma senha sem nem conversar comigo pra saber qual expectativa eu tenho desse evento.
Não tenho informação nenhuma ao chegar no local.
Não posso testar o aparelho.

E pra quem não conhece como eu conheço? Explicaram o que é a SIRI? Disseram que a câmera tem 8Mpx?

Na minha concepção, que provavelmente está errada pro resto do mundo, comprar um iPhone é ter uma experiência desde o momento do convite até fazer a primeira ligação. Abrir uma caixa do iPhone já é uma experiência fabulosa. Mas quebrar esse encantamento e nos tratar como meros “pagantes”…isso eu não quero. Pelo menos não aceito em um coquetel de lançamento.

Tive muitas ideias vindo pra casa em como transformar um evento desses em algo Apple Like.
Mas é óbvio que eu não vou dizer isso aqui.

Atenção operadoras: querem saber? Peguem uma senha e me contratem como consultor.

16 Comments

  1. Concordo plenamente!
    Espero que isso não tenha nenhuma ligação com a morte do mais revolucionário de todos os gênios da história!

  2. Por que isso não me surpreende, meu caro?
    Como você bem sabe, desde que chegou o 3GS, este foi o primeiro lançamento de um iPhone em Salvador em que não estivemos juntos. Não porque não quis ir mas desta vez me deixaram de fora.
    Lembro do primeiro convite, quando foi feita uma verdadeira operação com lindas modelos/promotoras e alguns aparelhos “piriguetes” rodando de mão em mão para que cada um pudesse brincar, usar, experimentar ao máximo para ficar com aquele gostinho de “eu preciso ter um destes” e querer ir correndo feliz ao caixa. Isso tudo dentro de um evento como foi o BGourmet.
    Lembro de você ter levado o dinheiro em espécie, no bolso, com a certeza de que compraria um ali mesmo e da sorte que teve ao sair de lá com um aparelho novinho, na caixa, não por ter comprado mas ao ser sorteado.

    Como bem sabe, no lançamento do iPhone 4, dos chamados da “blogosfera especializada” somente eu atendi o convite. Você, cliente antigo e conhecido pela paixão pela maçã mordida também, lógico. Um coquetel de verdade, com garçons trazendo bandejas de canapés e bebidas a todo tempo, funcionários e até diretores nacionais da operadora conversando sobre as maravilhas do aparelho, além de vários expostos para que pudéssemos realmente ter a experiência de “brincar” o máximo possí­vel com eles (os aparelhos, não os diretores, claro),
    Lembro da alegria que senti quando nos chamaram num canto e disseram que sorteariam um aparelho entre nós dois (como disse, fui o único que aceitou o convite) e minha tristeza e decepção quando, micro segundos antes de iniciar o “sorteio” a diretora de marketing percebeu que o VP da operadora a olhava como se perguntasse “só esses dois?” e ela puxou o maldito do cinegrafista da Band que havia sido enviado para cobrir o lançamento, mas de outra operadora, e foi puxado para lá para pegar alguns “shots” da marca. Murphy entrou no jogo e o cara levou o sorteio. Um cinegrafista que estava lá não porque queria, não por ter sido convidado, não porque poderia depois escrever em seu Blog, visto por milhares de pessoas, como havia sido bem tratado e o quanto o aparelho é bom e vale a pena ser comprado na operadora tal, mas um cara que foi escolhido por um produtor qualquer para cobrir o evento.

    Não faz muito tempo estivemos juntos novamente a convite da operadora. Desta vez para o lançamento de um tablet, por incrí­vel que pareça, Android, e não um da Apple! Sim, houve um coquetel, houveram 2 aparelhos para brincarmos, mas não havia ninguém que soubesse quem éramos e porque estávamos lá. Ali não éramos criadores e divulgadores de conteúdo, não éramos “convidados” mas simples clientes como outro qualquer. Tanto que depois de alguns minutos, saí­mos e fomos curtir um Yakisoba em outra ponta da cidade.

    Por isso, meu caro amigo, é uma pena mas nada do que escreveu me surpreende. E, apesar dos pesares, não adianta tentar colocar panos quentes e dizer que a culpa é nossa e não da operadora. Sim, eu sei que nós brasileiros (não só baianos) não sabemos ser consumidores. Conheço bem a história daquele CEO de uma montadora que quando perguntado por que os carros no Brasil eram tão caros em relação aos outros paí­ses ele respondeu sem pestanejar “Ora” Por que os brasileiros compram! Não importa o preço que coloquemos” e sei bem que, no final das contas, ele tem toda razão.

    Mas isso não é desculpa para as empresas não quererem mudar este perfil. O “consumidor 2.0” quando conquistado de verdade, é fiel a marca como nenhum outro. É o maior e o melhor divulgador dos seus produtos e serviços. É o que pode apontar bugs, erros, defeitos, dar sugestões para a empresa de como fazer melhor para que clientes futuros fiquem ainda mais satisfeitos e passem também a comprar da mesma marca. É o melhor e mais seguro investimento de uma empresa.

    Mas, ao que parece, falta muito para aprendermos isso por aqui… muito…

  3. Disse tudo, a experiência de compra é tão valiosa quanto o fantástico produto que a Apple criou. Pecaram no lançamento do 4S aqui no Brasil, uma pena.

  4. Pois é meu caro, sou de Salvador-BA também. Estava nesse evento ontem, comprei o meu iphone 4S, mas o evento foi terrí­vel, sai 3h da manhã, cansado, chateado (mesmo depois de efetivar a compra).

    Decepção.

  5. Triste. Porém, talvez a falta de glamour reflita apenas a falta de grandes novidades no 4S.

    Eu não vou comprar. Eu que esperei tanto uma versão melhorada do 4, sem problemas de antena, talvez mais fino, talvez mais leve, talvez com visor maior, com uma cí¢mera bacanérrima de fazer inveja, acabei encontrando apenas um minor upgrade de hardware com um lançamento fodástico de software (que poderia muito bem ser disponibilizado para outras versões).

    O iPhone 4S não tem nada de novo, não tem nada de melhor que a concorrência. Siri? Se não tem versão em pt-br, eu passo. E que venha o meu Galaxy Nexus com meu sanduiche de sorvete.

  6. Além de tudo isso, ainda parei pra fazer a conta que posso ir aos EUA comprar o 4S que, mesmo assim, sairá pelo mesmo absurdo preço aplicado por aqui. Por enquanto vou ter que ir levando com meu 3GS….. mesmo caducando a bateria….

  7. Sem siri funcionando, o novo iphone me parece um upgradezinho. Não devo comprar. Mas seu texto sobre a experiência de compra é perfeito.

  8. Acredite, não é apenas na Bahia que isso aconteceu. Aqui no Rio não foi diferente. Como as operadores não precisam de estratégia para vender o iPhone, uma vez que ele mesmo se vende, tornam os eventos de lançamentos cada vez mais desinteressantes. Pior, milhares de compradores nem ligam e comprarão o gadget assim mesmo, pagando caro e sendo mal atendidos.

  9. Experiência DECEPCIONANTE né Lau ? Mais é isso mesmo, vc e todos os outros APPLE FANS merecem respeito, merecem muito mais que um farrofatel, digo coquetel. Essa falta de respeito com os consumidores aqui no Brasil, é demais né ? também, um paí­s que tá sempre atrás no quesito investimento, poderia esperar diferente ? Quem sabe um dia, possamos ter em pé de igualdade, equipamentos de telefonia, informática, hardware, software… Talvez quando tivermos governantes que entendam a necessidade e saibam investir CORRETAMENTE o nosso dinheiro, poderemos começar a sonhar…Lucas e Catarina irão ver e usufruir disso ? Creio que não, é muito cedo para tanta mudança…

  10. Nunca fui em nenhum evento de lançamento da Apple, nem aqui no Brasil, mas nunca duvidei que fosse assim.. Até pq as operadoras tão ali só pra vender mesmo, a marca é da Apple, o cuidado com o toque mágico dos produtos é da Apple e não da operadora. Daí­ cabe ao gestor da operadora querer criar um evento bacana, mas eles só pensam no $$$$… infelizmente… =P Por isso meu sonho é comprar um produto Apple em uma Apple Store MESMO que aí­ sim vou ter o momento mágico.. xD funcionários aplaudindo na entrada e etc…ihiuhiuhui.. ^^

  11. Ótimo texto! Isso reflete bem a desgraçada atuação das operadoras de telefonia móvel no Brasil. Como sempre, uma empresa brasileira estraga tudo. All new again.

  12. Realmente…sem comentários….mas como não aguento vou deixar logo QUATRO comentários para você: 1) quer o que?? “só se vê na Bahia…”!
    2) precisam mesmo pegar senha para contratar esse super apple user que coincidentemente é um super consultor
    3) quem mandou ir para evento furada?? para ver os “ex-amigos” não tem tempo…viu só o castigo??
    4) da próxima vez, faça como eu, pegue o avião e vá na apple de NY kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk bjs, sumido!

  13. Pô velhinho…. nunca mais tinha lido os seus textos, e pelo visto esse aqui foi o último que você postou. A melhor parte foi essa “Se é pra ter um coquetel de lançamento, que tenha com ENCANTAMENTO. Sabe o que é isso? Se você mora na Bahia, tá longe de saber…atendimento aqui é “ótimo”.
    Bom… parece que eu também estou velha e também estou ranzinza, mas enquanto a crí­tica vier nesse sentido te apoiarei sempre! Será que um dia a gente consegue melhorar isso daqui? Se nem a Apple conseguiu…. ai ai ….
    Pelo tempo desse post você já deve ter comprado o aparelho, né??!! rs
    Bjs.

    • Comprei não, Becker…comprei não.
      Vou esperar mais um pouco. Daí­, quando eu achar que devo, comprarei.

      Preciso mesmo voltar a escrever…já tem um tempo que estou parado. As visitas despencaram. Mas é normal.

      Beijão!

Leave a Reply